sábado, 21 de julho de 2012

Fé no sacerdócio



No 25º aniversário da sua ordenação sacerdotal, Karl Rahner foi a um Seminário Maior. Convidou os seminaristas a “arriscarem” e a terem “fé no sacerdócio”. 

“Sois homens iguais a mim. Eu que me atrevi e não me lamento. Porque não haveis vós de vos atrever também? Quando comecei, não estavam os tempos mais claros que agora. E Deus concedeu-me a graça, realmente ditosa, do Sacerdócio. Por isso, também vós podeis arriscar, inclusive nesta época. Eu era débil, pecador e continuo a sê-lo. Levo, no Sacerdócio, o peso da minha herança, do meu pecado, dos meus talentos ou falta deles, a debilidade que há no meu ser, no meu carácter e tenho podido comprovar que a graça de Deus é mais forte e poderosa que a nossa debilidade. Porquê não haveis vós de arriscar? Tenho notado cada vez mais, que o cargo e o peso são grandes. Mas Deus tem sido bom e fiel. Então, porque razão não haveis vós de vos atrever?

Fostes chamados ao mais grande que se pode dar: testemunhar a verdade de Deus nas trevas deste mundo, anunciar o Reino de Deus no meio da confusão desta época, distribuir a graça de Deus a um povo não santo, representar a Igreja de Deus no meio deste mundo, para que realmente seja o sinal de que veio a graça de Deus e se concluiu a aliança eterna entre Deus e os Homens, a que se apoia na fidelidade inquebrantável de Deus e não na capacidade do homem. Haveis de ir aos homens e dizer-lhes que não são homens daquela época, mas da eternidade. Haveis de assistir ao começo e ao final da vida destes homens, ali onde ao morrer um, se escorrem os outros e não sabem já que dizer. Haveis de bendizer, haveis de perdoar, haveis de ter o valor em dizer uma e outra vez a Palavra de Deus, oportuna e inoportunamente.

É preciso ter fé no sacerdócio e realizá-lo de novo, dia-a-dia, pois nos é dado de uma forma tal, que é impossível perdê-lo. Tão pouco é possível abraçá-lo de forma que não possa resultar pesada a solidão, nem que um escape sempre à impressão de que está a pregar a ouvidos surdos e dizendo palavras que o próprio corre o risco de não entender.
É preciso conquistar o Sacerdócio dia após dia, com todas as energias do próprio coração e, mais ainda, com a Graça de Deus. Perante isto, digo-vos: arriscai! Exigirá muito de vós, mas é Deus, a Sua graça, a Sua fidelidade e o seu ditoso chamamento, que o exige.

Não o lamento. Com plena confiança volto a tomar sobre mim o Sacerdócio, inclusive depois de vinte cinco anos e o digo a vós, queridos irmãos: arriscai, vale a pena, pois é Deus quem nos move a Ele, e se o faz, chegará a cumprir-se plenamente, não ficará num bom começo. Ele, a quem se deve o começo e o meio, nos dará forças, a mim e a vós, da eterna realização do Sacerdócio e da vida na sua Graça que não sabe o que é o arrependimento.”

KARL RAHNER


Karl Rahner (Friburgo em Brisgóvia, 5 de março de 1904 — Innsbruck, 30 de março de 1984) foi um sacerdote católico jesuíta de origem germânica e um dos mais influentes teólogos do século XX. Participou como teólogo do Concílio Vaticano II. Criou a revista Concilium. Escreveu mais de 800 artigos e ensaios.

Sem comentários:

Enviar um comentário