segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

A importância de aprender a perder



A IMPORTÂNCIA DE APRENDER A PERDER

A vida é feita de muitas perdas. Quase tudo o que nos chega e julgamos ter ganho, algum dia, sem aviso, pode perder-se.

Há quem fique muito frustrado quando perde, como se acreditasse que tem o direito de ganhar para si ou de conservar consigo aquilo que julga ser o melhor.

A sabedoria da vida passa por aceitar as desgraças da existência, das mais triviais às mais profundas.

Perdemos oportunidades, empregos, relações, sonhos, dinheiro... Mas só nos focamos em aprender a ganhar, como se saber perder fosse inútil. Pelo contrário, o sucesso implica passar por inúmeros fracassos, grandes e pequenos, resistindo-lhes e superando-os. Começando de novo, tantas vezes, por cima dos escombros do que passou.

A nossa sociedade só gosta de vencedores. Quem fica em segundo lugar é visto como o primeiro dos últimos.

Um perdedor nunca merece a nossa admiração, é antes alguém que merece a nossa compaixão. Mas, e se essa pessoa, fazendo das tripas coração, conseguir encontrar mais forças para lutar contra as adversidades? Se nos der a lição de que não se resigna ao mal, mas o combate sempre? Importa que, no final, vença ou seja derrotada?

Devemos aprender a olhar o sofrimento como quem o contempla, para que nos façamos capazes de não ceder às tentações dos orgulhos, egoísmos e cobardias que fazem de nós piores do que podíamos ser.

A morte é a perda da vida, mas a vida é feita de perdas constantes, de horas que passam sem jamais voltarem a passar. Tudo é sempre novo, para o melhor e para o pior.

De que serve a alguém conquistar cada um dos seus sonhos se, com isso, estiver a perder o que importa?

Viver é aprender a abrir mão de tudo. Bom ou mau, tudo passa.

Viver é morrer e renascer, a cada dia.


in https://www.agencia.ecclesia.pt/portal/a-importancia-de-aprender-a-perder/

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Guarda-te. Esconde-te. Priva-te.

A imagem pode conter: nuvem, céu, oceano e ar livre

Guarda-te de julgar.


Priva-te do pessimismo e das mordidas nos calcanhares alheios.

Guarda-te de sentir que sabes o que vai do lado de lá da barricada de cada pessoa.

Priva-te dos sobrolhos franzidos e dos assuntos que mastigam raivas de estimação.

Guarda-te dos olhares reprovadores e das opiniões de quem não seria capaz de fazer melhor.

Priva-te de devolver na medida do que receberes. Se receberes críticas que não te constroem ou reparos que não (te) acrescentam sabedoria, não digas nada. Esconde o silêncio atrás do teu melhor sorriso.

Guarda-te de fazer como te fizeram a ti.

Priva-te das lamúrias e das queixinhas ruminantes e cortadoras de voos altos.

Guarda-te de achar que sabes tudo.

Priva-te da arrogância de quem já viveu o suficiente para saber como esta ou aquela história acabam.

Esconde-te das vinganças pequeninas e inofensivas.

Priva-te das enumerações de certezas. Convence-te: cada um tem as suas e quase nunca correspondem.

Esconde-te de quem teima em colocar-te os pés em cima em vez de te dar as mãos.

Guarda-te de ir atrás do rebanho.

Priva-te do fazer o que todos fazem.

Não te atormentes com tragédias pintadas por quem não conhece histórias bonitas.

Guarda-te de responder a quem te fez mal.

Priva-te do sofrimento desnecessário e das preocupações que não te dizem respeito.

Esconde-te de quem não te deixa ver que ainda há muito mais para descobrir.

Guarda-te. Esconde-te. Priva-te.

Guarda o que te faz bem.

Grita como quem canta.

Fala como quem reza.

Olha como quem abraça.

Avança como quem sabe que, por maior que seja o muro, do lado de lá há sempre luz.'

(Marta Arrais; foto Dulce Antunes)

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Video do Papa: Tráfico de pessoas




O Vídeo do Papa: Há temas em que somos obrigados a tomar partido. Como o tráfico de pessoas. Não se pode ficar neutro. Se você não está contra, se não faz algo contra isso, você está contribuindo para que essa tremenda injustiça continue existindo. Abra os olhos para a realidade. Abra o seu coração para as vítimas. "Mesmo que tentemos ignorá-la, a escravidão não é algo de outros tempos. Perante esta trágica realidade, não podemos lavar as mãos se não quisermos ser, de certa forma, cúmplices destes crimes contra a humanidade. Não podemos ignorar que hoje há escravidão no mundo, tanto ou talvez mais do que antes. Rezemos pelo acolhimento generoso das vítimas do tráfico de pessoas, da prostituição forçada e da violência". O Vídeo do Papa difunde todo mês as intenções de oração do Santo Padre pelos desafios da humanidade e da missão da Igreja. Pela Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração): http://www.oraciondelpapa.va. Se quiser ver mais vídeos sobre as intenções de oração do Papa, encontrará em http://www.elvideodelpapa.org

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019