domingo, 13 de janeiro de 2019

A obediência é a medida da perfeição cristã




A obediência é a medida da perfeição cristã.
O amor cristão tem as cores concretas do caminho de Cristo,
a configuração com as cores da cruz.
O que importa não é a quantidade ou intensidade das experiências de Deus,
mas o quotidiano cinzento, vivido na fé, na esperança e na caridade.

(Cf. Baltasar)

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Decálogo para a conversão espiritual, pastoral e missionária

A imagem pode conter: 17 pessoas, pessoas a sorrir, ar livre

Decálogo para a conversão espiritual, pastoral e missionária
[A partir do Documento Final do Sínodo sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional]

Reunindo e resumindo as propostas do Documento Final e de alguns estudos feitos em ordem à preparação do Sínodo, atrever-me-ei a enumerar, em jeito de decálogo, alguns aspetos daquilo que se poderia chamar a conversão espiritual, pastoral e missionária da Igreja (DF 118), que pode ser resumida na expressão “sinodalidade missionária”:
  1. Passar do “ide e ensinai” ao “ide e escutai”…
  2. Passar de uma Igreja paternalista, a uma Igreja «caminheira» e «companheira», uma Igreja que caminha e acompanha os mais novos e confia neles.
  3. Passar de uma Igreja clericalista, autoritária, a uma Igreja sinodal, participativa e corresponsável (DF 123).
  4. Passar de uma Igreja de feição masculina a uma Igreja de rosto feminino e materno, onde as mulheres têm parte ativa e responsabilidades nos processos e lugares de decisão (DF 55; 148) e a Igreja se torna uma Mãe de coração aberto (EG 46-49).
  5. Passar de uma Paróquia imóvel, repetitiva, circunscrita e limitada aos seus limites territoriais, para uma comunidade mais criativa e generativa, aberta, atenta aos últimos, que cresce numa lógica de corresponsabilidade eclesial e de impulso missionário, desenvolvendo sinergias no território (DF 17; 129) e ousando novas linguagens e expressões (artes, pintura, música, desporto, mundo digital etc – DF 47).
  6. Passar de uma pastoral por setores a uma pastoral por projetos (DF 141), de modo a desenvolver o trabalho colaborativo, potenciando as sinergias de pessoas e recursos, de modo que a fragmentação dê lugar à integração.
  7. Passar de uma pastoral das vocações (consagradas) à animação vocacional de toda a pastoral (DF 139)
  8. Passar de uma catequese juvenil, em jeito de curso de formação religiosa, a verdadeiros percursos de iniciação à vida cristã, capazes de proporcionar a alegria do encontro com Cristo, na beleza da Liturgia (DF 134), na experiência dos Sacramentos, na integração comunitária, na diaconia social (DF 46; 137), tendo presente os processos pessoais de acompanhamento (DF 19).
  9. Passar do compromisso missionário, em atividades na Igreja, ao compromisso de toda a Igreja, nas novas fronteiras da missão: mundo digital (DG 21.24; 145º), migrantes (25-27; 147), valorização da mulher (DF 55; 148); sexualidade (39; 149-150), economia, política, trabalho, casa comum (DF 151-154), diálogo inter-religioso e ecuménico (155-156).
  10. Passar de uma formação presbiteral isolada a uma formação conjunta de leigos, consagrados e sacerdotes, de caráter mais experiencial, com percursos comunitários, capaz de preparar os futuros e atuais pastores para campos exigentes e especializados da vida pastoral, tais como a mobilidade humana, o acompanhamento espiritual (DF 9), a pastoral juvenil (DF 164), a cultura digital (DF 21-24; 145).

Os jovens precisam do nosso testemunho, de pessoas sãs, enraizadas em Cristo, pautadas pela sobriedade de vida, pela transparência, pela autenticidade, pela busca da santidade, “precisam de santos que formem outros santos” (DF 165).

Se fizermos jovens santos, pela irradiação missionária do nosso testemunho de santidade, eles próprios nos hão de impelir a voltar ao nosso primeiro amor (DF 167).
E esse – voltar ao primeiro amor (Ap 2,14) – é o fundamental caminho da nossa conversão e o de toda a Igreja, que se quer colocar “em estado permanente de missão” (EG 25)! Que os jovens nos deem um bom empurrão.
Pe. Amaro Gonçalo Ferreira Lopes

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Os jovens na escola de Maria


Janeiro de 2019. O Vídeo do Papa: Jovens que se mobilizam, que se lançam à aventura da fé, que seguem o exemplo de Maria. Milhares. Centenas de milhares. Milhões deles se reúnem este mês no Panamá para a Jornada Mundial da Juventude de 2019. Compartilhemos com eles a alegria do Evangelho. "Vocês, jovens, têm na Virgem Maria um motivo de alegria e uma fonte de inspiração. Aproveitem a Jornada Mundial da Juventude no Panamá para contemplar Cristo com Maria. Cada um em seu idioma, rezemos o Terço pela paz. E peçam-lhe forças para sonhar e trabalhar pela paz. Rezemos pelos jovens, especialmente os da América Latina, para que, seguindo o exemplo de Maria, respondam ao chamado do Senhor para comunicar ao mundo a alegria do Evangelho." O Vídeo do Papa difunde todo mês as intenções de oração do Santo Padre pelos desafios da humanidade e da missão da Igreja.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

cavalo e mensagem



Acerca do descanso e do muito trabalho...

"Deus deu-me uma mensagem para entregar e um cavalo para cavalgar.
Infelizmente matei o cavalo e agora não tenho como entregar a mensagem."

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Oração à Senhora e Mãe de Janeiro



A imagem pode conter: 1 pessoa

ORAÇÃO À SENHORA E MÃE DE JANEIRO, 
DO DIA PRIMEIRO E DO ANO INTEIRO
Mãe de Deus, Senhora da Alegria, Mãe igual ao Dia, Maria. A primeira página do ano é toda tua, Mulher do sol, das estrelas e da lua, Rainha da Paz, Aurora de Luz, Estrela matutina, Mãe de Jesus e também minha, Senhora de Janeiro, do Dia primeiro e do Ano inteiro.
Abençoa, Mãe, os nossos dias breves. Ensina-nos a vivê-los todos como tu viveste os teus, sempre sob o olhar de Deus, sempre a olhar por Deus. É verdade. A grande verdade da tua vida, o teu segredo de ouro. Tu soubeste sempre que Deus velava por ti, enchendo-te de graça. Mas tu soubeste sempre olhar por Deus, porque tu soubeste bem que Deus também é pequenino. Acariciada por Deus, viveste acariciando Deus. Por isso, todas as gerações te proclamam «Bem-aventurada»! Por isso, nós te proclamamos «Bem-aventurada»!
Senhora e Mãe de Janeiro, do Dia Primeiro e do Ano inteiro. Acaricia-nos. Senta-nos em casa ao redor do amor, do coração. Somos tão modernos e tão cheios de coisas estes teus filhos de hoje! Tão cheios de coisas e tão vazios de nós mesmos e de humanidade e divindade! Temos tudo. Mas falta-nos, se calhar, o essencial: a tua simplicidade e alegria. Faz-nos sentir, Mãe, o calor da tua mão no nosso rosto frio, insensível, enrugado, e faz-nos correr, com alegria, ao encontro dos pobres e necessitados.
(D. António Couto)