quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Rastejar até à meta


Hyvon Ngetich, de 29 anos, estava a escassos metros de ganhar a Maratona de Austin, EUA, este domingo, quando a força lhe abandonou o corpo e a fez colapsar. Sem conseguir sequer andar, a queniana foi auxiliada pela equipa médica no local, que lhe ofereceu uma cadeira de rodas... mas a atleta recusou a oferta e começou a rastejar até à meta.

A decisão de Ngetich em continuar a corrida apesar do colapso do seu corpo justificar o abandono da prova fez dela uma sensação online. Desde domingo que diversos vídeos do momento estão a ser partilhados nas redes sociais, acompanhados de mensagens de apoio e de elogios à persistência e coragem da atleta.

Apesar do contratempo, Ngetich ainda conseguiu, mesmo assim, terminar em terceiro lugar do pódio feminino. O organizador da prova ficou tão emocionado com a atitude da queniana, que a considerou "a pessoa mais forte deste planeta" e lhe aumentou o valor do prémio final. "Fizeste a corrida mais corajosa e o rastejar mais corajoso que alguma vez vi na vida", disse-lhe. "Mereces todas as honras".

Há, no entanto, quem lhe elogie a coragem, mas relembre que o esforço da atleta poderia ter sido fatal e que a equipa médica a deveria ter removido da corrida de imediato, pois os níveis de açúcar no sangue da queniana estavam perigosamente baixos.

A atleta, por sua vez, garante nem se recordar muito bem do final da corrida. "Não me consigo lembrar muito bem do que aconteceu e nem me lembro de ver a meta. Mal me lembro de colapsar ou rastejar", confessou à BBC Radio.

Sem comentários:

Enviar um comentário