terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Advento


Advento, tempo de espera. Não apenas de um dia, mas daquilo que os
dias, todos os dias, de forma silenciosa, transportam: a Vida, o
mistério apaixonante da Vida que em Jesus de Nazareth principiou.
Advento, tempo de redescobrir a novidade escondida em palavras tão
frágeis como "nascimento", "criança", "rebento".
Advento, tempo de escutar a esperança dos profetas de todos os tempos.
Isaías e Bento XVI. Miqueias e Teresa de Calcutá.
Advento, tempo de preparar, mais do que consumir. Tempo de repartir a
vida, mais do que distribuir embrulhos.
Advento, tempo de procura, de inconformismo, até de imaginação para
que o amor, o bem, a beleza possam ser realidades e não apenas desejos
para escrever num cartão.
Advento, tempo de dar tempo a coisas, talvez, esquecidas: acender uma
vela; sorrir a um anjo; dizer o quanto precisamos dos outros, sem
vergonha de parecermos piegas.
Advento, tempo de se perguntar: "há quantos anos, há quantos longos
meses desisti de renascer?"
Advento, tempo de rezarmos à maneira de um regato que, em vez de
correr, escorre limpidamente.
Advento, tempo de abrir janelas na noite do sofrimento, da solidão,
das dificuldades e sentir-se prometido às estrelas, não ao escuro.
Advento, tempo para contemplar o infinito na história, o inesperado no
rotineiro, o divino no humano, porque o rosto de um Homem nos devolveu
o rosto de Deus.

Tolentino Mendonça

Sem comentários:

Enviar um comentário