segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O risco de ser padre



Na porta de uma Igreja, no Chile, foi encontrada uma folha com este saboroso texto, respeitante à acção do pároco.

Se prega dez minutos, nunca mais acaba!
Se fala do Céu é um anjinho…
Se fala do inferno é antiquado.
Se aborda temas sociais, mete-se na política.
Se trabalha - não tem nada que fazer.
Se se preocupa com a paróquia, não se compromete com o mundo.
Se aparece com o cabelo comprido, é revolucionário.
Se o usa curto, é antiquado.
Se usa cabeção é da Idade Média.
Se usa gravata é progressista.
Se baptiza e casa toda a gente, é bonzinho.
Se é exigente, afasta da Igreja.
Se está na igreja, devia sair para visitar os paroquianos.
Se os visita, nunca está na igreja quando se procura.
Se fuma e bebe é mundano.
Se não convive é introvertido.
Se promove convívios, na paróquia não faz nada.
Se se mete em obras na igreja, gasta dinheiro.
Se não as faz, é desleixado.
Se apresenta contas é pedinchão.
Se não as apresenta, não é sério.
Se defende o património da Igreja está contra o povo.
Se quer moralizar a festas, está a acabar com a religião.
Se dirige a paróquia sozinho é autoritário
Se tem colaboradores, deixa-se influenciar.
Se é jovem, falta-lhe experiência.
Se é idoso, deveria reformar-se.
Se reclama os direitos paroquiais é ambicioso.
Se convive com os jovens, não liga a mais nada.
Se sai da paróquia, não tem nada que fazer.
Se ...
… Mas, quando se afasta ou morre, era realmente insubstituível.
.

1 comentário:

  1. Gostei... E acho que um destes dias vou roubar... Abraço em Cristo

    ResponderEliminar