quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Os amigos



Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e húmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai.

Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

- Nunca esqueças os teus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que tu envelheceres. Independentemente, do quanto ames a tua família, os filhos que porventura venham a ter, precisarás sempre de amigos. Lembra-te de, ocasionalmente, ires a lugares com eles; faz coisas com eles; telefona-lhes...

- "Que estranho conselho!" - Pensou o jovem. Acabo de entrar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza a minha mulher e a família que iniciaremos serão tudo o que necessito para dar sentido à minha vida!

Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contacto com os seus amigos e anualmente aumentava o número deles. Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que o seu pai sabia do que falava.

Conforme o tempo e a natureza realizam as suas mudanças e mistérios sobre um homem, os amigos são baluartes de sua vida.

Passados mais de 40 anos, eis o que ele aprendeu:

O Tempo passa;
A vida acontece;
A distância separa;
As crianças crescem;
Os empregos vão e vêem;
O amor fica mais frouxo;
As pessoas não fazem o que deveriam fazer;
O coração desgasta-se;
Os pais morrem;
Os colegas esquecem os favores;
As carreiras terminam;

MAS... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilómetros nos separam.

Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por nós, intervindo em nosso favor, e esperando de braços abertos, abençoando nossa vida!

Quando iniciamos esta aventura chamada vida, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.

Lembra isto aos teus amigos que ajudam a dar sentido à tua vida.
É o que eu estou a fazer.
.

1 comentário:

  1. Olá Padre Nuno!

    Depois de todas as palavras que hoje nos escreveu sobre o importante que é tê-los os amigos na nossa vida, só me ocorre mesmo perguntar:

    Como seria Ela, a nossa Vida, sem esses amigos, esses amigos que o são sempre igualmente no Ser e no Estar ?!

    Tenho menos que muitos, tenho os que inquestionávelmente o são para mim!

    E hoje posso dizer que tenho mais um amigo,
    e no sê-lo, é-o inquestionável para mim!
    Que bom!!

    dulce ac

    ResponderEliminar