quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Rita Levi Montalcini



Ela atravessou um século de conquistas e transformações, de horrores e grandes guerras e amanhã completa cem anos. Rita Levi Montalcini nasceu em 22 de Abril de 1909. Médica, professora, prémio Nobel em 1986 pela descoberta do Nerve Grown Factor.

Sobre ele ela diz: “Cheguei ao resultado com a sorte e a intuição. Encontrei o NGF porque o procurava com grande convicção. Tinha certeza de que existisse. Aquela descoberta derrubou a ideia que o sistema nervoso fosse estático e programado geneticamente.”

Confessa nunca ter-se apaixonado. “Tive grandes amizades, profundas, mas amores verdadeiros, nunca. Meu pai, um homem vitoriano, achava que eu e minhas irmãs deveríamos ser educadas para sermos mães e esposas. No fim permitiu que frequentasse a Universidade. Foi uma grande vitória!”

Sobre o mal afirma: “O mal é o desejo excessivo do próprio bem-estar e desinteresse pelo bem comum”.

Sobre o século XX: “Durante este século tivemos grandes sucessos científicos, sociais e também grandes horrores".

Sobre racismo e antisemitismo: “Não é a consequência de um destino genético, mas de desenvolvimentos epigeneticos, culturais. Tudo começa no período formativo, nos primeiros 5 anos de vida da criança, que recebe uma série de ensinamentos e informações do tipo: você é de raça superior (ou inferior), etc… Não existem raças, só racistas. E são estas superstições que podem (como já fizeram) levar a destruição de seis milhões de pessoas. Os seres humanos são influenciados culturalmente. É por isto que o verdadeiro remédio contra o racismo é a educação.” E continua com um paradoxo: “Não podemos nos dar nunca por vencidos. Eu mesma deveria agradecer as leis raciais por terem me rotulado de “raça inferior” e assim ter me obrigado a trabalhar segregada no meu quarto, onde tinha montado um pequeno laboratório e começado as pesquisas que me levaram ao Nobel".

Sobre sua idade: «Cem anos? É a idade ideal para fazer descobertas. Nunca aposente seu cérebro. Eu trabalho dia e noite com uma equipe extraordinária. No European Brain Research Institute (EBRI), eu e meus jovens colaboradores estamos aprofundando os estudos sobre o NGF que acompanha o desenvolvimento do ser humano do período pré-natal até a velhice. Estes trabalhos poderão ser úteis para combater as doenças neurodegenerativas e desenvolver um fármaco contra o mal de Alzheimer».

Rita Levi Montalcini sorri e comenta: «O segredo da minha vitalidade é que eu vivo continuamente ocupada na pesquisa científica e nos problemas sociais. Não tenho tempo de pensar em mim mesma.”
.

2 comentários:

  1. Grande Mulher.
    Tão significativo exemplo de Vida.
    Enorme Coração...inteligente, gentil, atento, amigo...
    E cuja presença ficará para sempre em todos aqueles em cujo seu olhar se deteve.
    Ser humano notabilíssimo.

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado por esta informação tão importante, tanto do ponto de vista científico, como humano. Muito obrigado também, Padre Nuno, por tão lindo exemplo de vida, trabalho, entrega e dedicação.

    Melhores cumprimentos,
    Manuel Filipe Santos.

    ResponderEliminar