segunda-feira, 27 de abril de 2009

É bom demais para ti!



Passou-se comigo. Precisava de um tm para a Inês que estragou o dela. Queria evitar comprar um novo, e perguntei a uns amigos, com quem me encontrei, se algum deles tinha um que não estivesse a uso mas que estivesse bom.

- Mas é para ti?

Perguntou um dos amigos.
- Não - respondi - é para a Inês, uma sem-abrigo minha amiga.
- Ah se fosse para ti tinha, mas então não, é bom demais para ela!

Respondeu.
- Olha que quando chegares ao Céu pode ser que ouças dizer: "não, não podes entrar, é bom demais para ti...!" Observou o outro.

Parecia que estava a brincar mas aquilo foi um tiro que nos atingiu aos três. Fiquei a pensar nisto o resto do dia... em como tantas vezes damos aos pobres coisas estragadas... demasiado usadas... restos... e quase nunca coisas realmente boas...

Pensei também em duas amigas que sempre que dão ou fazem alguma coisa para eles, dá o melhor que tem uma, faz o melhor que sabe com os melhores ingredientes a outra: "É para Jesus" costumam dizer. Essas... SABEM DE AMOR!

E depois pensei em como nos custa a entrar que Jesus, O QUE PODIA TER TUDO DO MELHOR - PORQUE SENHOR E DONO "DISTO TUDO" - preferiu identificar-Se com os pobres, os humildes, os simples, os esquecidos, os excluídos...

É TÃO ESTRANHO, TÃO DIFERENTE DE NÓS ESTE SENHOR JESUS, NÃO É?...


Teresa Olazabal

.

1 comentário:

  1. TERESA OLAZABAL


    Boa Amiga,

    Ele é e não é assim tão estranho, diferente ...!

    Sabe, quando acentuamos o estranho e a diferença, por vezes, o que fazemos é, involuntariamente, despi-Lo da Sua natureza humana que a tinha e sublinhou ...!

    E, quando involuntariamente o fazemos, quando sublinhamos a diferença, implícita sugerimos a nossa suposta incapacidade de agir em Sua conformidade.

    O facto é que, como contradioriamente também sublinha no seu texto, tem duas amigas que não olham a destinatários e a eles sempre estão prontas a dar o melhor!

    Somos e não somos, é só querermos (!), assim tão diferentes ...


    Jaime Latino Ferreira
    Estoril, 27 de Abril de 2009

    ResponderEliminar