sábado, 28 de março de 2009

5ª lição: Dar e dar-se



Muitos anos atrás, quando eu trabalhava como voluntário num hospital, conheci uma pequena menina chamada Liz, que sofria de uma doença rara e muito grave.

A sua única hipótese de salvamento parecia ser uma transfusão de sangue do irmão mais novo, de cinco anos, que já tinha tido o mesmo problema e sobrevivido milagrosamente, desenvolvendo anticorpos necessários para a combater.

O médico explicou-lhe a situação da irmã e perguntou-lhe se ele estaria disponível para dar o seu sangue à sua irmã.

Eu vi-o a hesitar por uns instantes, antes de respirar fundo e dizer "sim, eu faço-o se isso a salvar." À medida que a transfusão ía correndo, ele mantinha-se deitado ao lado da sua irmã, sorrindo. Todos nós sorríamos, vendo a cor a regressar à face da
menina. Foi então que o menino começou a ficar pálido e o seu sorriso a desaparecer.

Ele olhou para o médico e perguntou-lhe, com a voz a tremer, "Será que eu começo a morrer já?".

Sendo muito jovem, o menino não compreendeu o médico; ele pensou que teria que dar todo o seu sangue à irmã para a poder salvar.
Autor desconhecido.
.

1 comentário:

  1. GENEROSIDADE


    Um belo dia comecei a falar como se uma válvula finalmente se abrisse e me desbloqueasse a voz qual sangramento, fruto de um abalo estrutural, telúrico de alta intensidade que em transfusão a projectou em escrita num processo imparável e que transcorre de mim para os outros, dos outros para mim e em congruência, consequente com uma práxis, ela própria, reflexiva.

    Na finitude que nos caracteriza, a generosidade é como uma transfusão que se apresta a dar o sangue todo e que à medida que o dá mais se auto-sustentabilisa.

    Pronta a dar tudo, tudo por Tudo!


    Jaime Latino Ferreira
    Estoril, 29 de Março de 2009

    ResponderEliminar