sábado, 17 de dezembro de 2016

Quatro maldades das palavras


 
Só as coisas que são boas é que podem ser mal-usadas.

É a má utilização de uma coisa que acaba por causar danos, sendo que nunca são os instrumentos os responsáveis pelos prejuízos que causam, antes sim os que os usam com má intenção ou sem a noção do poder que dão. Quem, por falta de consciência do mal que pode fazer, o faz, é responsável em parte pelo ato, mas de forma integral pela ignorância que impôs a si mesmo.

O uso da palavra tem quatro virtudes associadas a quatro tentadoras maldades.

Não devemos ofender. A falta de respeito pelo outro é, sem exceção, condenável, pois ninguém tem o direito de condenar outro apenas com base numa vontade interessada apenas em si mesma. Uma injúria acaba sempre por desonrar mais quem a faz, do que quem dela é alvo.

As palavras não devem provocar a discórdia. Há quem julgue que melhor nos entendemos quando conversamos, mas há momentos em que se passa o contrário: é por se abusar das palavras que surgem os desentendimentos. Os que alimentam guerras querem apenas arrastar os outros para as suas próprias trevas.

Não se deve mentir. A verdade é algo precioso, que aperfeiçoa quem a escolhe em detrimento das tentações de suavizar, mascarar ou ocultar a realidade. Talvez o mundo que temos não seja tão bom quanto seria possível, mas ficará sempre pior de cada vez que alguém o falseia por causa dos seus egoísmos, em proveito dos seus orgulhos e a fim de encobrir as suas faltas. Não há meias-mentiras nem meias-verdades, isso são apenas formas mentirosas de a mentira dizer a verdade a seu respeito. Uma mentira, seja ela maior ou menor, é sempre e só uma mentira. Algo mau da semente até ao fruto. A verdade pode magoar, mas nunca tanto quanto uma mentira.

As palavras não devem alimentar futilidades. Quem preenche aquilo que julga serem tempos vagos da sua vida com palavras soltas e desenraizadas acaba sempre por falar de mais – porque diz o que não deve, e de menos – porque não diz o que deve, restando-lhe depois pouco tempo, atenção e força para construir algo de bom.

Quem escolhe o mistério do silêncio encontra nele mais paz, força e luz do que em qualquer discurso, por mais belo que pareça.

O silêncio é uma das melhores armas contra o mal, que assim nunca encontra forma de nos atacar com eficácia.

A palavra é uma espada afiadíssima. Usada de forma inconsciente será quase um milagre que não fira alguém, uma simples palavra tem um poder capaz de envenenar a credibilidade do outro, as relações humanas e a própria dignidade de quem a diz.

O silêncio é sempre a última palavra.

José Luís Nunes Martins
(ilustração de Carlos Ribeiro)


Sem comentários:

Enviar um comentário