segunda-feira, 9 de maio de 2016

O profeta Oseias, a traição e o amor




São páginas belíssimas, até na dramaticidade que as envolve. É a história do profeta Oseias, que viveu no século VIII a.C., cuja existência familiar é narrada nos primeiros três capítulos do seu livrinho bíblico, onde, todavia, é transfigurada em símbolo religioso para todo o Israel.

A história é conhecida: o profeta tinha desposado uma ex-prostituta (ou talvez uma sacerdotisa de cultos pagãos da fertilidade); dela havia tido três filhos, mas a mulher tinha-o abandonado. Nesta experiência tormentosa podemos encontrar a relação entre família e misericórdia.

Dois são os perfis que queremos agora descrever. O amor misericordioso que sabe perdoar pode coexistir com o desdém pela ofensa da infidelidade. É isto que brilha no capítulo 2 da confissão de Oseias. Ele, com efeito, apesar de gritar a sua ira e amargura pelo abandono do teto conjugal, sonha que a sua mulher, Gomer, desiludida pelos amantes, retome o seu lugar no lar, agora deserto, com a sua família. Ela, efetivamente, dirá: «Voltarei ao meu primeiro marido, porque eu era outrora mais feliz do que agora». (2, 9). E Oseias estará pronto a perdoar tudo, e com ela quererá celebrar um novo casamento e uma nova lua de mel.

Juntos irão novamente aos lugares da sua juventude, retirar-se-ão para o deserto, abraçar-se-ão os corações: «É assim que a vou seduzir: ao deserto a conduzirei, para lhe falar ao coração [literalmente: sobre o seu coração] (...) Aí, ela responderá como no tempo da sua juventude» (2, 16-17).

Envolvida e comovida por este amor que elimina e perdoa o passado, Gomer repetirá as palavras ternas da intimidade nupcial: «Naquele dia – oráculo do Senhor – ela me chamará: "Meu marido" e nunca mais: "Meu Baal"» (2, 18). E Oseias replicará: «Então, te desposarei para sempre; desposar-te-ei conforme a justiça e o direito, com amor e misericórdia. Desposar-te-ei com fidelidade» (2, 21-22).
O segundo perfil encontra-se em Oseias 11,1-4. Nele entra em ação a misericórdia paterna, que se inclina com ternura sobre o filho, mesmo sendo ele um pouco caprichoso e rebelde. Também neste caso a representação do pai que tem nos braços o seu menino torna-se um símbolo da relação entre Deus e o seu povo.

Eis a pequena cena descrita pelo profeta, onde Deus fala a Efraim, isto é, a Israel: «Entretanto, Eu ensinava Efraim a andar, trazia-o nos meus braços, mas não reconheceram que era Eu quem cuidava deles. Segurava-os com laços humanos, com laços de amor, fui para eles como os que levantam uma criancinha contra o seu rosto; inclinei-me para ele para lhe dar de comer» (11, 3-4).

É fácil intuir a terna solicitude deste pai que, tendo pela mão o filhinho, o ensina a caminhar, o aperta fortemente a si, o eleva até à altura do seu rosto para o impelir a comer, mesmo quando o pequeno não quer saber e é caprichoso.

Este é um pequeno quadro de intimidade familiar que se liga à cena matrimonial anterior e que recorda a todos os esposos e pais a necessidade do amor misericordioso para viver juntos uma experiência nem sempre fácil. Como observava o escritor suíço Max Frisch, falecido em 1991, «no amor não se deve ver um ponto de chegada, nem um apagamento, mas apenas um continuo prosseguir».

Card. Gianfranco Ravasi

Sem comentários:

Enviar um comentário