terça-feira, 26 de novembro de 2013

Viver plenamente



Viver plenamente significa abandonar a lógica de dobrar o mundo, tudo aquilo que nos rodeia, à nossa vontade; viver plenamente significa procurar integrarmo-nos, nele da melhor maneira. Devemos aprender a partilhar, a participar, a unirmo-nos, e não a dividir ou a dominar ou a controlar o outro.

A história de cada um de nós é aproximarmo-nos do invisível, do espiritual.

Existe um plano de Deus, preparado para cada um de nós, ainda antes de nascermos; compete a cada um de nós aderir-lhe ou não, procurá-lo ou não.

Como reconhecer uma pessoa que vive verdadeiramente?
Pelos seus frutos.
Sobretudo, é preciso dar bons frutos.

«Porventura podem colher-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Toda a árvore boa dá bons frutos e toda a árvore má dá maus frutos. A árvore boa não pode dar maus frutos nem a árvore má, dar bons frutos. Toda a árvore que não dá bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Pelos frutos, pois, os conhecereis» (Mt 7,16~20).

O meu homem sente, dentro de si, que deve fazer alguma coisa nesta terra, completar um desígnio, realizar um projeto, alcançar um objetivo.

Mas, se não formos conscientes, se não tivermos em conta a nossa componente psicoespiritual, acabaremos por viver o mundo como lugar de competição, de agressão, onde o único objetivo é sobreviver, é pensar no nosso interesse pessoal e, consequentemente, viver o outro como coisa ou objeto, sempre em nosso proveito.

A espiritualidade revela-nos que o mundo não é nosso, que o outro não é nosso, que a natureza, que o mundo em que vivemos não são nossos.
Nada é nosso.
Nem sequer o corpo em que vivemos. Somos apenas hóspedes.
Porque tudo é de Deus.

Por outro lado, quando não nos sentimos realizados, satisfeitos com as nossas existências; quando não temos sentido espiritual, experimentamos um sentimento de mal-estar.
Sentimo-nos inúteis, anónimos, confusos.
É o modo como vivemos a vida que é importante.
É o modo e a atitude como e com que enfrentamos cada momento do dia, cada encontro, que faz toda a diferença.

Só teremos sucesso, quando deixarmos de nos preocupar com o nosso sucesso pessoal.
Quando já não nos preocuparmos com possuir, é que começaremos a ter.
Quando não nos preocuparmos com controlar, seremos livres.
A nossa vida é como um campo infinito de possibilidades, de oportunidades.

Por isso, quanto mais nos separarmos de ideias preconcebidas, de preconceitos, tanto mais nos abrimos à possibilidade de mudar, de nos transformarmos.

Ou melhor, permitimos que a nossa pessoa atraia a si coisas, pessoas, situações que ajudarão a realizar os seus objetivos.

Tenta imaginar, por exemplo, como seria a tua vida sem medos, sem complexos de culpa ou de inferioridade (...).

Quase todas as nossas vidas rodam, sem que nos apercebamos disso, ao redor da neurose, dos nossos complexos, dos nossos medos.

Por isso, por exemplo, estamos sempre à defesa ou preferíamos agredir.

Só com a espiritualidade, com a criatividade podemos sair das prisões invisíveis que criamos para nós.

- A rigidez não é um valor.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais negativo serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais fechado serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais limitado serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais ciumento serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais invejoso serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais perigoso serás.
- Quanto mais rígido fores, tanto mais incapaz serás  de compreender os outros.

Pelo contrário, uma pessoa criativa, espiritual, é uma pessoa aberta, disponível, otimista, flexível e generosa.
Frequentemente, é a nossa educação, são os usos e costumes do nosso ambiente que nos bloqueiam.

Mas, quando se vive coerentemente o motivo, o objetivo por que viemos ao mundo, quando estamos no percurso de crescimento psicoespiritual, já nada mais é impossível.
O conhecimento das nossas verdades funda-se no nível de maturidade, no conhecimento de nós mesmos.

Se descobrirmos verdadeiramente quem somos, também reconheceremos as nossas potencialidades e respeitar-nos-emos a nós próprios.

Além disso, cada ação realizada para satisfazer uma necessidade começa com a atividade de pensamento. Cada um de nós deve tomar, se responsável não somente pelas suas ações, mas também pelos seus pensamentos, pelas suas emoções.

No fundo, somos nós quem escolhe a vida que estamos a viver.

Valerio Albisetti
In Felizes apesar de tudo, ed. Paulinas

Sem comentários:

Enviar um comentário