sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Fazer da Fé experiência vital

tolentino mendonca

Erri di Luca escreve de forma muito pertinente que a Fé é deixar de tratar Deus pela terceira pessoa e passa-Lo a tratar pela segunda.

O vocabulário bíblico da Fé pode ensinar alguma coisa a quem se questiona no século XXI sobre a relação com Deus? A Bíblia define a Fé sobretudo de dois modos: como temor de Deus e como confiança. Parecem coisas completamente inconciliáveis, mas talvez não sejam. A Fé para ser experiência vital deve misturar ambas.

O temor de Deus tem o seu fundamento na consciência da alteridade de Deus. Deus é Deus. Quer dizer: Deus é (e há de continuar) uma pergunta infinita; é Todo-Outro, transcendente e pleno de mistério. Temor, porém, não quer dizer medo: é precisamente o resultado da anulação do medo e da sua substituição por um misto de reverência perante a imensidão de Deus. Vista dessa perspectiva, a Fé é o modo de permanecer fiel a este Deus cuja transcendência é compreendida não como terrífica ou paralisante, mas sim suscitadora de uma abertura orante. Esta é, por exemplo, a Fé de Job que, quando confrontado com a omnisciência de Deus, diz: "Vou pôr a mão na boca, e não volto a dissertar insensatamente sobre Deus" (Job 39, 37-38). E, no mesmo sentido, a de São Gregório Palamas, teólogo do século XIV: "A natureza de Deus não pode ser pensada, nem vista, nem dita, porque está distante de todas as coisas. Não existe nome para mencioná-La, nem neste século, nem no futuro; e nenhuma palavra encontrada na alma e proferida pela língua, nem qualquer imagem pode dar-nos o Seu conhecimento. Para nomear Deus é preciso renunciar a tudo o que é ou pode ser nomeado". A Fé provoca sempre a desarrumação dos nossos saberes e razões e mergulha-nos no silêncio. Os crentes não têm a cabeça cheia de ideias sobre Deus. Quanto mais se vive de Deus menos se sabe, ensinam os místicos.


Mas a Fé não se fica apenas pela purificadora consciência do que nos distancia de Deus. A Fé é o impossível da presença tornado possível pelo próprio Deus. Ele toma a iniciativa do encontro e a Fé explica-se então como revelação, história comum, amizade partilhada. Por isso, sem a semântica da confiança ninguém consegue descrever a Fé. O escritor italiano Erri di Luca, que vive numa grande dilaceração entre crer e não-crer, escreve de forma muito pertinente que a Fé é deixar de tratar Deus pela terceira pessoa e passa-Lo a tratar pela segunda (Tu ou Vós). O próprio termo bíblico guarda uma variante riquíssima de sentidos que vai nessa linha: significa “estar seguro em” e alude, igualmente, à estreita relação que existe entre a mãe que aleita e a criança que é ob¬jecto desse carinhoso cuidado. Jesus, que para os cristãos é não só objecto de Fé mas também seu modelo, soube chamar por Deus como a criança fala com o seu pai, com a mesma simplicidade, a mesma intimidade, o mesmo abandono confiado. Lição a redescobrir para fazer da Fé uma experiência vital.

José Tolentino Mendonça

Sem comentários:

Enviar um comentário