quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Agradeci...



Esta noite senti-me um profundo ingrato [o sentimento, obviamente, não caiu de pára-quedas]. Adormeci com esse sentimento e, há pouco, na oração agradeci, agradeci, agradeci e agradeci. Do pormenor do cheiro a amaciador dos lençóis (ridículo, quase), ao facto de estar vivo. Agradeci a fé e o que ela faz comigo e de a vida, ou a conversão, ou sei lá, me ajudar a ser alguém em quem confiar. Agradeci o poder saborear o silêncio sem ter pesadelos. Agradeci o poder fazer uma crítica sem a ameaça da tortura e da morte. Agradeci o não ter medo, nem vergonha, de pedir abraços quando deles preciso. 

Paulo Duarte, sj

Sem comentários:

Enviar um comentário