sexta-feira, 15 de junho de 2012

Mãe, não quero nada, vim apenas ver-te!



Mãe, não quero nada, «vim apenas ver-te.

Não leves a mal que eu esqueça os pedidos que me fizeram para eu te fazer.
Não é egoísmo, Senhora, e a prova é que não farei também nenhum pedido para mim, nem desejo serenar-me, contemplando teu rosto sereno.

... Em nome de todos os homens que vivem suplicando, em nome de todos os irmãos que já se aproximam de ti de mãos estendidas, deixa que eu esqueça um momento o vale de lágrimas, nossa miséria de mendigos, nossa pobreza de criaturas, nossa tristeza de pecadores, para saudar-te, Rainha dos Anjos, Virgem-Mãe de Deus!

Bendito seja o Criador de tuas mãos sem mancha por onde passa toda a luz que tomba sobre a escuridão dos homens!
Bendito seja o Criador de teu olhar boníssimo que tem o dom de acender a esperança nas almas desalentadas, nos corações em desespero, à beira do abismo, do irremediável, do fim!
Bendito seja o Criador de tua sombra suavíssima pois já notei, Mãe querida, que basta a tua lembrança, o teu perfume para encher a solidão da vida a solidão do homem. 


 Mãe, não quero nada.Vim apenas ver-te».

D. Helder da Câmara

Sem comentários:

Enviar um comentário