domingo, 1 de abril de 2012

Era mesmo a sério!



Quando Jesus falou do final bem difícil que previa para a sua vida, S. Pedro nem quis acreditar no que ouvia: «Deus te livre de tal, Senhor. Isso nunca te acontecerá!»

No Monte das Oliveiras, ficou bem gravada nos apóstolos a angústia de Jesus, a solidão, a falta de coragem para ser até ao fim fiel à razão de ser da sua vida. Antes, porém, os apóstolos não o levaram suficientemente a sério. O «querido mestre» ainda era novo, tinha a vida pela frente… Além disso, a sua sabedoria, «autoridade» e um estranho «poder» inspiravam a todos confiança!

Quando Pedro viu que era mesmo a sério o que Jesus tinha dito, até negou que era seu amigo…

O que os discípulos de Jesus, em que nos podemos incluir, só compreenderam depois da «ressurreição», é que o seu mestre levava a vida mesmo a sério. Momentos de alegria, momentos de dor e o momento da morte foram vividos para nos dizerem que somos chamados por Deus a sermos seus companheiros no projeto de criação. A força das nossas mãos é a força de Deus. A bondade das nossas mãos é a bondade de Deus. A beleza da criação, onde a justiça deve resplandecer particularmente na organização social, está assim nas nossas mãos.

É mesmo a sério.  

E porque também quero viver a sério a minha vida e o compromisso com a fé, então hoje decido seguir a Cristo mais de perto. Porquê?

Porque sei que Cristo não me promete um bom salário,
   mas garante-me uma vida abundante.
Ele não me promete estar sempre como no primeiro dia,
   mas promete-me que nunca me vai faltar força.
Ele não me promete que façam caso do que eu digo
   mas promete-me que vou querer repeti-lo uma e outra vez.
Ele não me promete a compreensão dos que me rodeiam,
   mas promete-me que saberei qual é o caminho certo.
Ele não me promete que me venham ajudar,
   mas promete-me que irão precisar de mim.
Ele não me promete decisões fáceis,
   mas promete-me que nunca me irei arrepender.
Ele não me promete um trabalho perfeito
   mas promete-me que eu faça parte de um projeto inesquecível.
Não me promete que eu tenha sempre sucessos,
   mas promete-me que o meu trabalho vai dar muito fruto.
Não me promete que eu não tenha dúvidas e receios
   mas garante-me que o amor é mais forte que o medo.
Não me promete que eu possa acabar com a dor, o sofrimento e a injustiça,
   mas promete-me que, onde estiver, eu poderei levar esperança.
Ele não me promete o reconhecimento do mundo,
   mas promete-me uma palavra eficaz.
Ele não me promete títulos humanos,
   mas promete-me a certeza de que eu foi escolhido.
E me promete
alimentarei o mundo,
unirei corações,
acompanharei os que sofrem,
confirmarei aqueles que querem ser fortes,
experimentarei com eles a verdadeira alegria,
levarei aos homens a verdade,
e serei cristão, testemunha de Jesus Cristo.
Ele não me promete apenas uma vida de aventuras,
Ele garante-me uma vida apaixonante!

2 comentários:

  1. Padre Nuno:
    Lindo texto, particularmente para este dia 1 de Abril (dia das tão pobres mentiras), que nos apresenta a Magnífica Verdade que é Jesus.
    Adorei e partilhei,
    Filipe.

    ResponderEliminar
  2. "É mesmo a sério.

    E porque também quero viver a sério a minha vida e o compromisso com a fé, então hoje decido seguir a Cristo mais de perto.."

    Muito bonito de tão significativo, Padre Nuno.

    E este seguir de perto a Cristo, por cada um de nós, deve implicar-nos em mais momentos de proximidade, dando-nos num maior tempo à oração, porque só assim poderemos conhecer melhor a Deus..e na verdade estamos sempre em tempo de o promover na nossa Vida.

    Só assim cresceremos na intimidade desejada com Deus.

    Muito obrigado, um abraço forte e amigo.
    dulce ac

    ResponderEliminar