sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Um sacerdote deve ser...



Um sacerdote deve ser...

muito grande
e ao mesmo tempo muito pequeno,

de espírito nobre como se fosse portador de sangue real
e simples como um camponês,

herói por ter triunfado de si mesmo,
e homem que chegou a lutar contra Deus,

fonte inesgotável de santidade
e pecador a quem Deus perdoou,

senhor dos seus próprios desejos
e servidor dos fracos e dos que vacilam,

um que jamais se dobrou perante os poderosos
e que, no entanto, se inclina diante dos mais pequenos,

dócil discípulo do seu mestre
e comandante de valorosos combatentes,

voltando para Deus de mãos suplicantes
e mensageiro que distribui ouro às mãos cheias,

valoroso soldado no campo de batalha
e mãe terna à cabeceira do enfermo,

ancião pela prudência dos seus conselhos
e criança pela sua confiança nos outros

alguém que aspira sempre ao mais alto
e que ama o mais humilde...

Feito para a alegria,
acostumado ao sofrimento,

alheio à inveja,
transparente em seus pensamentos,

sincero nas suas palavras,
amigo da paz,

inimigo da preguiça,
seguro de si mesmo.

Manuscrito medieval. Salzburg

1 comentário: