quinta-feira, 1 de abril de 2010

«Amou-os até ao fim»




Que amor, que caridade, a de Jesus Cristo, em ter escolhido a véspera do dia em que ia ser morto para instituir um sacramento por meio do qual permanecerá entre nós, como Pai, como Consolador, e como toda a nossa felicidade! Mais felizes ainda do que aqueles que O conheceram na Sua vida mortal pois, estando Ele num só lugar, tinham de se deslocar de longe para terem a felicidade de O ver, nós encontramo-Lo em toda a parte, e essa felicidade foi-nos prometida até ao fim do mundo. Ó imenso amor de Deus pelas Suas criaturas!

Não, nada pode detê-Lo, quando quer mostrar-nos a grandeza do Seu amor. Neste momento de felicidade para nós, toda a Jerusalém está a ferro e fogo, a populaça está enfurecida, todos conspiram para a Sua perda, todos querem verter o Seu adorável sangue - e é precisamente nesse momento que Ele prepara para eles, como para nós, a prova mais inefável do Seu amor.

São João-Maria Vianney (1786-1859); presbítero, Cura d'Ars
Sermão para a Quinta-Feira Santa
.

1 comentário:

  1. "Amou-os até ao fim"

    Amor inequívoco
    De esperança
    portentoso alento
    no Sermos de Novo
    renovada espontaneidade
    que teima em ficar

    Abraço grande desejado
    num Caminho único

    Senhor, dá-nos um Coração mais sensível
    mais aberto, de uma maior compreensão
    neste nosso recomeçar
    perseverança no Sermos mais fortes
    no Sermos absolutos totais no Teu Amor

    E hoje acordei a cantar...

    Dou-Vos um mandamento novo
    Dou-Vos um mandamento novo
    Que Vos ameis uns aos outros
    Como Eu Vos Amei...

    Um abraço amigo numa grande Esperança,
    Redobrada de Renovada:)

    dulce antunes costa

    ResponderEliminar