sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Milionário desfaz-se da fortuna que o faz infeliz


Um aspecto do "Jardim das Rosas" na casa que está a ser rifada

Um milionário austríaco assegura que o dinheiro não traz felicidade e está a desfazer-se da fortuna. Fez rifas, a 99 euros, de uma casa nos Alpes e pretende mudar-se para uma cabana de madeira.

A ideia de que o dinheiro não dá felicidade há muito que se enraizou nas sociedades mundiais, especialmente entre aqueles que vêem no chavão um conforto espiritual face às maleitas na carteira. Mas para o quase ex-milinoário austríaco Karl Rabeder, os milhões são um entrave a uma vida feliz .

Aos 47 anos, Karl Rabeder, um rico homem de negócios austríaco, decidiu livrar-se do peso da fortuna pessoal, avaliada em quase quatro milhões de euros, para dar livre curso a uma vida mais térrea e desprendida. "A minha ideia é ficar sem nada, absolutamente nada", disse.

"O dinheiro é contraproducente, impede a felicidade de fluir", disse Karl Rabeder, em declarações ao tablóide britânico "The Daily Telegraph". Desapossado de todos os luxos que conquistou ao longo de uma vida de trabalho, basta-lhe o amor, da mulher, e uma cabana de madeira nos Alpes para seguir com a vida.

"Venho de uma família em que as regras eram trabalhar duro para arrecadar o mais possível", contou. Um modo de vida que seguiu durante muitos anos, mas que, gradualmente, o foi consumindo por dentro. "Durante muitos anos não fui suficientemente corajoso para fugir das armadilhas de uma existência confortável", acrescentou Rabeder, Karl de primeiro nome, como o do pai do comunismo, Marx de apelido.

O momento de charneira na vida de Rabeder aconteceu, paradoxalmente, numa luxuosa viagem às paradisíacas ilhas do Hawai, na companhia da mulher. "Nessas três semanas, gastámos todo o dinheiro que quisemos. Mas, em todo o tempo tivemos a sensação de que não conhecemos uma única pessoa real – eram todos actores", disse. "Os empregados faziam o papel de serem simpáticos e os outros hóspedes o papel de serem importantes, mas ninguém era real", acrescentou.

"Foi o maior choque da minha vida, quando me apercebi quão horrível, sem alma e vazia era o estilo de vida cinco estrelas", disse Rabeder. Foi o início de uma epifania a dois tempos, a duas realidades. Depois do choque no paraíso, a ligação à terra, em viagens a África e América do Sul. "Senti que há uma relação entre a nossa riqueza e a pobreza deles", acrescentou.

Determinado a fazer o pouco que uma só pessoas pode fazer no meio de 6,9 milhões de humanos, Karl Rabeder vai destinar o resultado das vendas a obras de caridade na América do Centro e do Sul. O dinheiro vai apoiar soluções de microcrédito em países como El Salvador, Honduras, Bolívia, Peru, Argentina e Chile.
.

2 comentários:

  1. Obrigada, Padre Nuno por este alerta fantástico!
    É pena haver tão poucos Rabeder,por aí.
    Por que havemos de ser tão egoístas, e não pensar em repartir mais, por aqueles que mais precisam?
    Seria um Mundo muito melhor. Não nos sentiriamos tão revoltados, ao olhar para o lado e, ver como há demasiada gente que precisa, e outros a esbanjar tanto...
    Mas os Mundo sempre foi assim, e sempre será, infelizmente.

    ResponderEliminar
  2. Acho um acto de muita coragem fazer o que ele está a fazer... Acho que somos um povo muito egoista, que queremos tudo apenas para nós, não gostamos de dar o que é nosso... Mas, pensando bem... secalhar, até eu própria, jamais faria o que ele fez... Posso ajudar, dar... mas vender algo e ir viver para uma simplicidade como ele quer, tendo o dinheiro que ele tem... acho que não seria capaz... ainda por cima se tivesse família e estivesse habituada a viver como ele vive, não sei se não ficava como estava por eles. Mas também, acho que se fosse milionária ajudaria imenso e ia travar a batalha de mudar o mundo... Sim, eu vou mudar alguma coisa no mundo... não me canso de o dizer...!
    Acho que muita gente deveria de olhar mais para o que ele fez, e partilhar mais... dar... =)

    Beijinho*.*

    ResponderEliminar