segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Quem sou eu para ficar triste?



Não posso, jamais, ficar triste!
Quando, na realidade, eu sou tão feliz!...


Quem, quem sou eu para ficar triste?
Diante de minha família e sorte
Diante de meus amigos e minha casa

Quem, quem sou eu para me sentir sem vida?
Quem sou eu para me sentir esgotado?
Diante da minha saúde e meu dinheiro

E onde, aonde eu vou para me sentir bem?
Por que eu ainda procuro externamente?
Quando está claro que isso não funcionará

É minha virtude continuar quando não sou capaz?
E é meu dever estar sempre preocupado com os outros?
Minha generosidade me desabilitou por
esse meu senso de tarefa a oferecer

E por que, por que eu me sinto tão ingrato?
Eu que estou muito além de apenas sobreviver
Eu que vejo a vida como uma ostra

E como, como ouso descansar em minha glória
Como ouso ignorar uma mão estendida?
Como ouso ignorar os países de terceiro mundo?

Quem, quem sou eu para ficar triste?

E assim parto de férias.
Até breve!
.

1 comentário:

  1. Muito obrigada por nos lembrar, mais uma vez, que devemos ser felizes, mesmo com algumas cntrariedades a bater-nos à porta de vez em quando.
    Desejo-lhe umas boas e muito merecidas férias.

    ResponderEliminar