quarta-feira, 8 de julho de 2009

Um Padre mesmo calado, grita-me Cristo



«Oh como é grande o padre! (…)
Se lhe fosse dado compreender-se a si mesmo, morreria. (…)
Deus obedece-lhe: ele pronuncia duas palavras e, à sua voz,
Nosso Senhor desce do céu e encerra-se numa pequena hóstia»

Esta afirmação do Santo Cura d’Ars descreve com vigor e simplicidade
a grandeza do Sacerdócio.

A dimensão da Graça do Sacerdócio
tem o tamanho do Amor de Deus pela sua Igreja,
por cada homem… por mim.

Que seria da minha vida sem a presença e a palavra,
o perdão e o poder de consagrar dos Sacerdotes?

Morreria de fome, solidão e orfandade.
Quem me mataria a fome daquele único alimento
que sustenta a minha vida?
Quem destruiria a solidão para onde me atira o pecado,
separando-me de Cristo?
Quem teria eu para me conduzir e proteger nos caminhos do mundo,
rumo ao destino bom que me espera?

Os Padres que cruzam a história da minha vida, são santos e pecadores,
mas sempre habitados por essa graça maior
que é o Sacramento da Ordem.

Por eles me chega Jesus no Pão, na Palavra e no Perdão,
porque eles me foram dados pelo próprio Cristo,
de uma vontade nascida no Seu Coração,
para que por eles eu possa experimentar a Misericórdia de Deus.

Um Padre mesmo calado, grita-me Cristo!


Rui Corrêa d' Oliveira
.

2 comentários:

  1. Obrigada Senhor, porque se não fossem os padres eu não teria a consolação diária da comunhão dentro das quatro paredes da minha casa onde me encontro em convalescença.

    ResponderEliminar
  2. PADRE NUNO


    Caro Amigo,

    Concerteza e eu partilho-as, às Suas observações, Consigo!

    Aliás, o Meu Amigo sabe muito bem que tentando eu racionalizar a minha Fé esse exercício não se deixa de entroncar, confrontar com o Mistério o que apenas à Fé a faz crescer!

    Daí, no comentário anterior, escrever de Silêncio e silêncios, o primeiro invariavelmente interpelativo, desafiante e os segundos próprios de quem tem imensa dificuldade em se deixar tocar pelos Outros, pelo Outro também.

    E que fez Cristo no Seu Percurso entre nós senão deixar-se tocar e de que maneira (!) pelas decisões dos homens num Caminho que tudo teve menos de inócuo e que cabe ao Sacramento da Ordem salvaguardar como perpetuar!?

    Ao Sacerdócio como a nós todos nas nossas especificidades ...

    Um Abraço, Seu


    Jaime Latino Ferreira
    Estoril, 8 de Julho de 2009

    ResponderEliminar