sexta-feira, 3 de julho de 2009

A crise segundo Einstein



Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar "superado".

Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.
.

2 comentários:

  1. PADRE NUNO


    Meu Caro Amigo,

    Uma vez mais, nova coincidência:

    Hoje mas só mais tarde, também eu irei, ainda que indirectamente, referir Einstein no meu blogue, em nova página, já deliniada, a editar só lá mais para o fim do dia!

    Crise ...

    Se a vida fosse um mar de rosas, de facto, não despontaria o melhor de cada um de nós.

    O melhor e o pior quando a seu pretexto, as pessoas se justificam, acomodam e encontram aí as desculpas para não tentar dar a volta às situações!

    Um Abraço,


    Jaime Latino Ferreira
    Estoril, 3 de Junho de 2009

    ResponderEliminar
  2. E o que é o sofrimento, senão uma crise no nosso eqiuilibrio? É por isso que penso que com todo este meu sofimento físico, vou sair do hospital completamente renovada.

    ResponderEliminar