segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Confiança sem limites



«Parece-me que o bom Deus lhe pede
um abandono e confiança sem limites
nas horas dolorosas
em que sente esses terríveis vazios.
Pense que, nessa altura,
Ele está a escavar na sua alma
maiores capacidades para O receber,
quer dizer, de algum modo infinitas como Ele mesmo.

Tente, então, pela vontade,
ficar inteiramente feliz,
mesmo sob a mão que a crucifica;
dir-lhe-ei até que encare cada sofrimento,
cada provação,
como uma “prova de amor”,
que lhe venha directamente da parte do bom Deus,
para se unir a Ele.»


B. Isabel da Trindade, Carta 249

Meu Pai, como é difícil
por um acto de “vontade
ficar inteiramente feliz”,
quando a minha realidade interior ou exterior é dolorosa!
Eu sei,
estou habituado a guiar-me pelo que sinto
e não pela vontade orientada pela razão.
Ajudai-me,
pois este é o único caminho
que me faz exercitar a fé:
iluminado pela razão
e agindo pela vontade,
procurarei, com a Vossa graça,
não ficar no que sinto,
no doloroso ou gozoso da vida,
mas desejo oferecer-Vos tudo
como um “sacrifício de louvor”.

1 comentário:

  1. 'Meu Pai, como é difícil
    por um acto de “vontade
    ficar inteiramente feliz”..'

    na quietude um 'Zimbório'
    possam sempre os amigos conversar, com tempo.. para sempre

    ao querido amigo padre Nuno
    que tem aqui um espaço de quietude, oração
    de encontro e de reflexão pela e a favor da Vida
    digo hoje obrigado(!) e muitos Parabéns(!) por mais um ano num tempo de muita gratidão para quem por aqui persevera, como eu

    e um beijinho num forte abraço amigo
    dulce

    ResponderEliminar